CUT-RS declara todo apoio à greve dos educadores gaúchos


  • 22/11/2019 08:24

Dia 14 de novembro, os trabalhadores gaúchos na educação pública estadual decidiram deflagrar uma greve por tempo indeterminado em resposta ao pacote do governador Eduardo Leite (PSDB) enviado à Assembleia Legislativa. Outras categorias já anunciaram movimentos grevistas a partir do dia 26 deste mesmo mês. A revolta com os ataques levou mais de 20 mil servidores das três esferas às ruas de Porto Alegre.

A exemplo do mal batizado “Plano Mais Brasil” do governo Bolsonaro, Leite joga sobre as costas dos trabalhadores e usuários dos serviços públicos o preço da manutenção do pagamento da dívida com a União, das isenções fiscais para as grandes empresas e da evasão de recursos que deveriam chegar aos cofres do Estado, mas que são desviados pela Lei Kandir e pela vergonhosa e bilionária sonegação de impostos.

Leite, apoiado e blindado pela grande mídia local, não só mantém quase 50 meses de parcelamento e 5 anos sem reajuste, como congela indefinidamente o pior salário dos educadores brasileiros. Ainda a exemplo de Bolsonaro/Guedes, o governador não se furtou em colocar a mão no bolso dos aposentados aumentando o desconto para mais de 16%.

É a existência dos direitos dos trabalhadores e dos serviços públicos que está em questão.

A CUT-RS declara o seu apoio incondicional às greves e a luta pela retirada ou derrota dos projetos na Assembleia Legislativa e chama todo o movimento sindical a tomar medidas concretas de solidariedade, divulgando na base de suas categorias as ações do movimento e iniciativas que busquem o apoio ativo aos que lutam pelos direitos mais elementares do povo gaúcho.
 

Porto Alegre, 19 de novembro de 2019.
 

Direção Executiva da CUT-RS